Freira que cuidava de dependentes químicos é encontrada morta com indícios de estupro

Antónia Pinho, 61 anos, era conhecida como a freira radical porque usava uma moto para circular pela cidade

Uma freira de 61 anos foi encontrada morta em uma casa em São João Madeira, em Portugal. Antónia Pinho ajudava idosos e dependentes químicos e era conhecida como a 'freira radical' porque usava uma moto para circular pela cidade.

Segundo o jornal Correio da Manhã, no domingo de manhã, Antónia Pinho disse que ia à missa, mas não apareceu. No início da tarde, foi encontrada morta no interior da casa de um homem. De acordo com o jornal, a suspeita é de que ela tenha sido estuprada e asfixiada.

O homem de 40 anos era dependente químico e já tinha sido condenado por um crime de estupro. Ele havia deixado a prisão há três meses.

O suspeito disse às autoridades que foi a freira que o convidou para ter relações sexuais. No entanto, depois de ser levado para interrogatório, o homem confessou o crime.

Ainda não se sabe em que circunstâncias a freira, conhecida por irmã ‘Tona’, se deslocou até a casa. Se por iniciativa própria, já que este era um dos homens que ajudava, ou se foi coagida a deslocar-se até lá.

Antónia Pinho era licenciada em Enfermagem e pertencia à Congregação Servas de Maria Ministras dos Enfermos, no Porto.

MeiaHora

COMENTARIOS

LO ULTIMO